Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Novamente Geografando

Este blog organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

Novamente Geografando

Este blog organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

CONSEGUIRÁ O PAPA FRANCISCO TRAVAR AS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS COM UM NOVO DOCUMENTO PAPAL?

Mäyjo, 16.05.15

papa_SAPO

Conseguirá o Papa Francisco fazer aquilo que os ambientalistas não conseguiram até agora e pôr um travão às alterações climáticas? Os mais crentes poderão acreditar. Espera-se que no início do verão, Jorge Bergoglio divulgue um documento papal a detalhar o imperativo moral e a necessidade de preservar o planeta Terra.

A encíclica terá como destinatários os 1,2 mil milhões de católicos de todo o mundo e tem o propósito de alertar para realidade e perigo das alterações climáticas, bem como da capacidade humana para as travar. O que ainda não é claro, como escreve o Washington Post, é de como o Papa pretende apresentar o caso sem perturbar a visão católica da omnipotência de Deus.

Uma vez que a encíclica é considerado o documento de maior autoridade emitido pelo Vaticano, a probabilidade de alcançar um grande espectro da população mundial é elevado. Será o primeiro documento papal a abordar a ligação entre a actividade humana e as problemáticas ecológicas, pelo que está a criar grande celeuma.

O mesmo Papa que afirma que todos os cães vão para o céu e suporta a teoria evolucionista e o Big Bang vai agora delinear o que os teólogos apelidam de “ecologia integral”, um quadro que descreve o plano religioso para manter o equilíbrio entre todos os seres vivos.

Ainda assim, a encíclica papal vai ser publicada bem antes da Cimeira Climática de Paris, em Dezembro, o que poderá ter algum efeito de persuasão nos líderes mundiais na adopção de um acordo universal para limitar as emissões de gases com efeito de estufa.

Foto: Catholic Church / Creative Commons

IRÁ A CIVILIZAÇÃO COLAPSAR OU EVOLUIR?

Mäyjo, 16.05.15

Irá a civilização colapsar ou evoluir?

Um estudo recente da Agência Espacial Norte Americana (NASA), com a colaboração do National Socio-Environmental Synthesis Center, alerta que a civilização industrial moderna pode colapsar nas próximas décadas devido ao esgotamento dos recursos do planeta e à distribuição cada vez mais desigual da riqueza.

Os autores do estudo escrevem que “a queda do império romano, e igualmente dos impérios avançados de Han, Máuria e Gupta, assim como de muitos impérios da Mesopotâmia, são a prova de que as civilizações avançadas, complexas, sofisticadas e criativas podem ser frágeis e impermanentes”.

Segundo o biólogo conservacionista Richard Steiner é a fragilidade e impermanência das civilizações humanas que nos conduz à questão do nosso tempo: “Irá a nossa civilização industrial evoluir para se tornar mais sustentável ou vai colapsar?”.

Desde a publicação de “Silent Spring”, em 1962, de Rachel Carson, que a civilização se começou a preocupar com os efeitos a longo prazo da industrialização, escreve o biólogo no Huffington Post. O primeiro Dia da Terra realizou-se em 1970 e foi catalisador de uma esperança que levou à criação de muitas leis para proteger o ambiente. Criou-se a esperança de que os governos se iriam concertar para responder a crises de segurança e impactos ambientais e de que tudo iria ficar bem.

Contudo, 40 anos depois, o optimismo desvaneceu-se. “Estamos preocupados e devemos estar”, sublinha Steiner. Nos últimos 40 anos, a população mundial mais que dobrou, a economia mundial mais que triplicou, as desigualdades aumentaram, a extracção e esgotamento de recursos aumentou exponencialmente, os habitats diminuíram, o terrorismo proliferou e inúmeras espécies extinguiram-se. “Estamos no meio do sexto evento de extinção em massa da história da Terra, mas desta vez causada por nós próprios”, escreve o conservacionista.

Actualmente, a humanidade utiliza 50% de recursos a mais do que a capacidade que a Terra consegue suportar e, se a tendência se mantiver, em 2030 estaremos o dobro dos recursos que o nosso planeta consegue suportar. A questão fundamental, de acordo com Steiner, é se conseguiremos inverter o rumo deste caminho sem saída e encetar por uma via sustentável.

“Seria interessante adivinhar o que as pessoas das sociedades antigas que colapsaram pensaram mesmo antes do fim”, refere o biólogo. Porém, a ameaça é agora global e não local. “O que está agora em risco é a integridade functional da única biosfera que conhecemos e a continuação da civilização. E, no entanto, parece que estamos entorpecidos perante esta ameaça sem precedentes”.

Foto:  Miradas.com.b / Creative Commons